Mão na mão

As mãos são o elemento sensitivo do ser humano, por excelência.
Com elas trabalhamos, com elas brincamos, jogamos, com elas entramos em guerras de almofadas, com elas tocamos pela primeira vez no rosto de um filho ou acariciamos o rosto vivido de nossos pais…

Com elas escrevemos, folheamos livros que lemos, com elas carregamos pesos, com elas ocultamos a tristeza ao limpar as lágrimas que nascem nos nossos olhos, com elas abraçamos no reencontro ou acenamos na despedida.

Com elas sentimos.
Com elas vivenciamos.
Com elas amamos.

Com as mãos podemos tocar ao de leve, acariciar com ternura,
podemos mexer, pegar,
podemos apertar, puxar para nós ou em nós, com urgência…

Com as mãos, podemos sentir, provocar, vestir, despir,
fazer nascer a tal intimidade povoada de momentos só nossos…

Tocando com as mãos e falando com o olhar…
Elos complementares e fundamentais um ao outro…
Um que fisicamente toca… sente…
O que a cumplicidade que se cria através do olhar vai comandando…

Com as mãos podemos sentir…
Desde o quente da pele à maciez do cabelo,
desde as curvas á força projectada pelos músculos do outro…

Com a mão tocamos a face do ser que nos beija, puxamos e somos puxados
e cativos de momentos criados a dois,
e alimentados com a intenção de um abraço
que começa com o suave navegar das mãos,
no rosto, no pescoço, na nuca puxando para si…
retidos, mais perto, rito fundente, bem junto, num abraço seguro por braços,
respirações e mãos…

Mãos que nos tocam, nos conhecem, nos descobrem e que, nos momentos lentos,
nos acariciam…
nesses momentos em que ficamos assim, prisioneiros de um olhar,
a sentir o toque, a paz, o bater ritmado do coração,
que aumenta
e logo as mãos se juntam ou se separam numa urgência de nos levar a uma outra esfera de sentidos…

Mãos que nos embalam. Mãos que nos excitam.
Mãos que nos tocam. Nos reclamam.
Mãos que nos conquistam. Mãos que nós queremos…
Mãos que nos puxam. Mãos que nos estreitam… em abraços…. que nos tomam..
Mãos que nos aprisionam…
Mãos que nos viciam e que nos fazem querer mais e mais….. mãos que nos conhecem.
Mãos que nos tocam como mais nenhumas queremos que nos toquem.
Porque é intimo.
Porque é nosso.
Porque nos expõe nos enfraquece…
Porque ficamos sem defesas, nos liberta…
….porque nos fazem entregar…
Porque queremos.

Mãos que não são nossas.
Mas que da mesma forma como conquistaram o direito a nós pelo que nos fazem sentir,
pelo que fazem de nós entregar…. também nós as reclamamos, as queremos, as desejamos,
sonhamos, estreitamos, puxamos, provocamos…

Mãos… todos os sentidos nas pontas dos dedos, a cumplicidade, todas as cumplicidades,
todos os segredos num olhar que se manifesta pelo carinho… pelas mãos…
Que nos fazem sentir vivos.
Que nos fazem viver…
Ternamente. Suavemente.
Ou de forma urgente….
Intensamente……
Hmmmm…..

Escrito de Mim para o Mundo
in.. 2008

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.